Sumup
Portal Alto Piquiri
Decoração
Portal Alto Piquiri
El Mate
Dengue
Tíade Corretorra
Dengue
ACCEL CELULARES
Coronavirus
Tempo

Novo ciclone bomba atinge litoral do Sul do Brasil

Ainda, o fenômeno deverá atingir o interior dos três estados do Sul, além do litoral de São Paulo e Rio de Janeiro.

14/09/2020 14h07Atualizado há 2 semanas
Por: Redação
Fonte: Inmet
444
Foto: MetSul
Foto: MetSul
Um novo ciclone bomba se formou e deve atingir a área litorânea do Paraná entre esta segunda-feira (14) e terça-feira (15). O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu um alerta de ventos fortes, que terá a incidência mais aguda na costa de Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
 
Ainda, o fenômeno deverá atingir o interior dos três estados do Sul, além do litoral de São Paulo e Rio de Janeiro. Segundo o Climatempo, as rajadas de ventos mais intensas podem chegar a 90 km/h em RS e SC, com 60 km/h nas demais localidades, incluindo as praias do Paraná e alguns municípios da região sul paranaense.
 
O principal alerta fica por conta das navegações no mar, que devem evitar sair quando forem de pequeno porte. O fenômeno é associado a frentes frias, sendo áreas de baixa pressão atmosférica. Em relação as chuvas, SC e RS devem registrar volumes maiores em grande parte do estado (o primeiro, inclusive, com possibilidade de ressaca), enquanto no Paraná o registro será apenas no litoral.
 
O "ciclone bomba" tornou-se conhecido em todo o país após os amplos estragos que causou na região Sul no final de junho. Foram 13 vítimas fatais, com quase dois milhões de consumidores sem energia elétrica nos três estados. À época, foram registrados ventos superior a 120 km/h. Uma semana depois, outro ciclone, desta vez mais fraco, também atingiu o Paraná e seus vizinhos.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários