Terça, 18 de Junho de 2024
21°

Tempo nublado

Alto Piquiri, PR

BRASIL Agressão

Garoto autista morre em decorrência de escoliose, após ser agredido por colegas na escola

Registros mostram Carlos Teixeira, de 13 anos, sendo agredido em escola e chorando ao relatar episódio para o pai; ele morreu nesta semana.

20/04/2024 às 17h03
Por: Redação Fonte: Metrópoles
Compartilhe:
Imagem: Reprodução
Imagem: Reprodução

Em São Paiulo, circulam imagens do menino Carlos Teixeira, de 13 anos, sofrendo agressões dentro da escola e chorando de dor em casa. Ele morreu na última terça-feira (16/4), depois que dois estudantes pularam em suas costas, conforme relato do pai da vítima, Julysses Fleming.

Carlos estudava na Escola Estadual Júlio Pardo Couto, em Praia Grande, no litoral de São Paulo. No dia 19 de março, alunos do colégio hostilizaram o adolescente, que chegou a levar um mata-leão de um deles. A data do registro foi confirmada pela Secretaria Estadual de Educação (Seduc).

Em nota enviada nesta sexta-feira (19/4), a Seduc afirmou que repudia toda e qualquer forma de agressão e de incitação à violência dentro ou fora das escolas. “Na época, ao tomar ciência do caso apresentado, a gestão escolar acionou o Conselho Tutelar e os responsáveis do aluno. Também registrou o ocorrido no aplicativo do Conviva”. O app é uma plataforma do governo do estado para comunicar ocorrências no ambiente escolar, incluindo agressão, bullying e racismo.

A pasta já havia informado que a Diretoria de Ensino de São Vicente, no litoral, instaurou uma apuração preliminar interna do caso e colabora com as autoridades nas investigações.

À TV Bandeirantes Julysses disse que procurou a direção da unidade de ensino, mas foi “desprezado” no local. Segundo ele, o diretor respondeu que os envolvidos eram crianças e que, por isso, solucionariam o caso entre si.

O pai foi chamado pela subdiretora para comparecer à escola no dia 19 de março – mesma data do vídeo – por conta de uma emergência ocorrida com Carlos.

Uma funcionária disse que o menino teria caído da escada, informação que foi desmentida imediatamente pelo jovem. Ele afirmou ter sido agredido por três alunos. Julysses disse que, em três ocasiões, pediu uma reunião com os pais dos agressores, mas a subdiretora negou todas as solicitações.

Após o ocorrido, a vítima começou a relatar muitas dores nas costas, seguidas de falta de ar, calafrio e febre muito alta. Ainda segundo o pai, Carlos foi levado ao Pronto de Socorro Central da Praia Grande, de onde foi liberado após tomar uma injeção na região da coluna.

O tratamento, porém, não cessou as dores. O pai teria levado o filho à unidade de saúde novamente, em outras ocasiões, mas o jovem recebeu diagnósticos equivocados de escoliose e dor nas costas. Julysses disse que a equipe médica o questionou sobre uma possível agressão doméstica contra o adolescente e indicou tratamentos psicológicos para a vítima.

[Ele] nunca teve escoliose, nunca teve falta de ar. Menino sempre foi caseiro, nadava comigo sempre no sítio, com fôlego e saúde”, afirmou o pai à TV Bandeirantes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias