Terça, 18 de Junho de 2024
21°

Tempo nublado

Alto Piquiri, PR

SAÚDE Saúde

Saúde publica e-book sobre doenças provocadas por alimentos e como previni-las

Publicação que marca o Dia Mundial da Segurança dos Alimentos busca chamar a atenção sobre a importância do consumo de alimentos seguros. Estima-s...

07/06/2024 às 17h08
Por: Redação Fonte: Secom Paraná
Compartilhe:
Foto: Roberto Dziura Jr/AEN
Foto: Roberto Dziura Jr/AEN

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), por meio da Vigilância Sanitária Estadual, publicou nesta sexta-feira (7), Dia Mundial da Segurança dos Alimentos, ume-booksobre as Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar (DTHA) . O documento traz informações sobre o que são essas doenças, como ocorrem e como evitá-las. O objetivo é chamar a atenção sobre a importância do consumo de alimentos seguros. Na publicação estão descritas as principais DTHA, o diagnóstico, tratamento, medidas de prevenção, além de mitos e verdades sobre essas doenças.

A campanha da Organização das Nações Unidas (ONU) deste ano tem como tema “Inocuidade dos alimentos: prepare-se para o inesperado” e traz destaque para situações decorrentes do consumo de alimentos contaminados ou nocivos que podem causar desde danos individuais até situações de emergência em saúde pública que exigem preparação, vigilância e resposta

De acordo com ONU, estima-se que mais de 200 enfermidades sejam originadas por alimentos contendo bactérias, vírus, parasitas ou substâncias químicas prejudiciais, como fragmentos de plásticos ou metais, pregos, espinhas de peixes e agrotóxicos.

As ações de fiscalização sanitária buscam eliminar, diminuir e prevenir potenciais riscos à saúde relacionados à ocorrência de surtos de DTHA. Essas ações compreendem a verificação da adoção de boas práticas em quaisquer das etapas de produção, distribuição ou no efetivo consumo de alimentos. “Trata-se de um trabalho fundamental para a oferta de alimentos seguros à população”, afirma a coordenadora de Vigilância Sanitária da Sesa, Luciane Otaviano de Lima.

SINTOMAS – Os surtos de DTHA não apresentam um quadro clínico específico e podem variar de acordo com o agente causador envolvido. Os sintomas mais frequentes incluem náusea, vômito, dor abdominal, diarreia, falta de apetite e febre. Há muitos tipos de DTHA que ocorrem no mundo, como botulismo, cólera, giardise. hepatite A, salmonelose e toxoplasmose.

“A contaminação dos alimentos está frequentemente associada à manipulação e à conservação inadequadas, além da contaminação cruzada entre produtos crus e processados”, afirma a chefe da Divisão de Vigilância Sanitária de Alimentos da Sesa, Salésia Maria Prodocimo Moscardi.

O tratamento é realizado de acordo com as necessidades específicas de cada paciente, mas, em geral, a doença é autolimitada. Indivíduos dos grupos de risco (como crianças, idosos, gestantes e imunocomprometidos) podem demandar atendimento especial a depender da toxigenicidade do agente etiológico envolvido. O foco do tratamento é principalmente prevenir a desidratação e evitar complicações graves e óbito.

Veja abaixo algumas dicas importantes para prevenir o risco de ocorrências por DTHA:

- Higienizar as mãos para a manipulação de alimentos: importante na remoção de sujidades e de microrganismos presentes nas mãos, evitando a contaminação durante o preparo e o consumo dos alimentos.

- Higienizar hortaliças, frutas e legumes para remoção de resíduos de sujeiras e microrganismos patogênicos. Os vegetais folhosos (como verduras em geral) devem ser lavados em água corrente, folha a folha e vegetais inteiros (frutas e legumes), devem ser lavados em água corrente um a um. Em seguida devem ser colocados de molho, por 10 minutos, em recipiente limpo, utilizando-se 1 colher de sopa de hipoclorito de sódio (2 a 2,5%) para cada litro de água. Após, devem ser novamente lavados em água corrente.

- Evitar a contaminação cruzada que ocorre quando microrganismos são transferidos para o alimento por meio das mãos ou superfícies contaminadas ou, ainda, por meio de um alimento cru para outros prontos para consumo (cozidos, por exemplo). Uma das formas de evitar a contaminação cruzada é a separação adequada dos alimentos crus e cozidos, inclusive os utensílios em uso. Por exemplo: não utilizar a mesma tábua para cortar carne crua e vegetais para a salada.

- Conservar os alimentos corretamente: como regra geral, os alimentos que acabaram de ser preparados não devem permanecer sem refrigeração por período maior que duas horas, devido ao risco de crescimento microbiano, que ocorre principalmente em temperaturas de 5ºC a 60ºC.

- Os alimentos perecíveis, ou seja, aqueles que possuem muita umidade (como carnes, frutos do mar, leites e derivados) podem ser armazenados sob congelamento ou refrigeração. Após o preparo, os alimentos cozidos ou perecíveis devem ser mantidos refrigerados (abaixo de 5ºC) ou quentes (acima de 60ºC) até o momento de serem servidos.

- Além disso, mesmo durante o armazenamento dos produtos em congelador ou refrigerador, é importante evitar o contato de alimentos crus (como carne, frango e peixe) com alimentos que já foram cozidos. - Os alimentos não perecíveis (alimentos secos como biscoitos, arroz cru e farinhas) por não possuírem umidade suficiente para a rápida multiplicação de microrganismos, podem ser armazenados em temperatura ambiente.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias