Segunda, 29 de Novembro de 2021
26°

Pancada de chuva

Alto Piquiri - PR

Agricultura SAFRA 21/22

Falta de fertilizantes ameaça plantio e pode impactar na inflação

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro previu desabastecimento de alimentos em 2022 por causa da falta de fertilizantes.

17/10/2021 às 06h49
Por: Redação
Compartilhe:
 Foto: Gabriel Souza Martins/Embrapa
Foto: Gabriel Souza Martins/Embrapa

O produtor Emilio Kenji Okamura, de Capão Bonito, município do sudoeste de São Paulo, já comprou o fertilizante que usará para o plantio do milho em fevereiro. “Como está se falando muito em possível falta, decidi antecipar, mas paguei caro”, conta.

Para muitos produtores, a crise na oferta dos fertilizantes para a segunda safra de milho, a “safrinha”, a ser semeada entre janeiro e março no Centro-Sul do País, já é real.

O impacto não ficará restrito ao campo: deve bater no prato do brasileiro e na inflação.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro previu desabastecimento de alimentos em 2022 por causa da falta de fertilizantes.

Clique aqui para receber as notícias do Portal Alto Piquiri em Tempo Real através do WhatsApp

Inflação

Em vez de desabastecimento, especialistas acreditam que o impacto tende a ser na forma de inflação.

A grande prejudicada, a segunda safra de milho, chamada de safrinha, na prática é uma “safrona”. Das 118 milhões de toneladas de milho esperadas para o ano 2022, a safrinha deve responder por 75%.

Como o milho é base da alimentação de suínos e aves, qualquer quebra na oferta resulta em alta de preços do grão e dessas carnes.

Fertilizantes

O problema é que o Brasil depende das importações de insumos, como fosfato, cloreto de potássio e ureia, por exemplo.

De janeiro a julho, dos 23,8 milhões de toneladas de fertilizantes entregues aos agricultores, 20 milhões de toneladas foram de produtos importados e 3,8 milhões de toneladas produzidas nacionalmente, segundo a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda).

E o cenário internacional de suprimentos é desfavorável. Com a retomada das economias, as compras de fertilizantes aumentaram, puxadas pela alta das commodities agrícolas (matérias-primas cotadas em dólar). Somado a isso, há restrições na oferta dos insumos.

Em comunicado, o diretor executivo da Anda, Ricardo Tortorella, explica que o potássio, por exemplo, sofre as incertezas do fornecimento pela Belarus, em razão de sanções aplicadas pela União Europeia, pela Suíça, pelos Estados Unidos, pelo Canadá e pela Inglaterra àquele país que responde por 20% da oferta, enquanto, no fósforo, os gargalos estão nos atrasos no embarque em portos de alguns tradicionais produtores.

Além disso, há incertezas quanto aos novos efeitos das restrições na oferta chinesa de nitrogênio e de fósforo em razão da alta no custo de gás natural e do aumento do consumo desses nutrientes pelo gigante asiático. “A China é uma grande produtora e também uma grande consumidora de fertilizantes”, diz o pesquisador Felippe Serigati, da FGV Agro.

Com risco de não conseguir entregar o produto pelas restrições na disponibilidade de fertilizantes no mercado internacional, em algumas regiões, contratos já firmados estão sendo cancelados. “A indústria de fertilizante não está enviando a cotação de preço para os produtores por causa do risco de não conseguir entregar o produto”, diz.

Mercado parado

O gerente da consultoria Agro do Itaú BBA, Guilherme Bellotti, diz que, para a compra de insumos da safra de verão 2022/2023, o mercado está parado. “Tem uma incerteza muito grande em relação ao preço desses insumos.”

A margem de manobra do governo para conter os preços praticamente não existe. “Os estoques são marginais, não são significativos”, diz Silvio Farnese, diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento do Ministério da Agricultura.

Ele explica que a Política de Garantia de Preços Mínimos foi desenhada em 1966. Quando os preços de mercado ficavam abaixo do mínimo, o governo entrava, comprando os produtos. Mas faz anos que os preços de mercado dos produtos agrícolas estão acima do mínimo, e “o mundo abandonou a política de formação de estoques, exceto a China”.

“O foco do ministério hoje é concentrar esforços no sentido de aumentar a produção agrícola, fornecendo seguro, crédito rural, e foi isso que aconteceu nos últimos anos”, observa. Quanto à afirmação do presidente de que haverá falta de alimento, Farnese diz que não é esse o cenário que a pasta está vendo. “O presidente teve uma posição de alerta”, afirma. As informações são do jornal ‘O Estado de S. Paulo’.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Play No Agro
Play No Agro
Sobre Luisa Nogueira é jornalista e apresentadora. Técnica em cafeicultura, empresária em marketing e comunicação. Há mais de 10 anos vem se especializando na criação de conteúdo voltada exclusivamente para o agro. Luisa também é produtora de cafés especiais, inclusive conquistou premiações em 2020.
Alto Piquiri - PR Atualizado às 20h52 - Fonte: ClimaTempo
26°
Pancada de chuva

Mín. 20° Máx. 31°

Ter 33°C 16°C
Qua 34°C 17°C
Qui 36°C 19°C
Sex 36°C 20°C
Sáb 37°C 21°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias