Sexta, 28 de Janeiro de 2022
28°

Pancada de chuva

Alto Piquiri - PR

SAÚDE H3N2

Paraná confirma 113 novos casos e três mortes pela H3N2; secretário explica como evitar a contaminação

A Sesa, de maneira preventiva e considerando o aumento no número de casos, realizou o envio de mais 380 mil unidades do fosfato de oseltamivir (Tamiflu) para as Regionais de Saúde.

06/01/2022 às 05h55 Atualizada em 06/01/2022 às 06h01
Por: Redação Fonte: SESA PR
Compartilhe:
Foto: Divulgação AEN
Foto: Divulgação AEN

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou mais três óbitos e 113 novos casos de H3N2 nesta quarta-feira (5). Agora, o Paraná soma 375 casos e quatro mortes pela doença, que é considerada um tipo do vírus Influenza A (H3).

Os novos óbitos foram registrados nos municípios de Mandaguaçu (1) e Paranaguá (2). Tratam-se de um homem de 64 anos e duas mulheres de 77 e 79 anos, respectivamente. Os pacientes estavam internados, possuíam comorbidades e não tomaram a vacina contra a Influenza no ano passado.

No Estado, a transmissão da doença já é considerada comunitária – quando o contágio entre pessoas ocorre no mesmo território, entre indivíduos sem histórico de viagem e sem que seja possível definir a origem da transmissão.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, alertou sobre os cuidados para evitar a contaminação. “Precisamos continuar nos cuidando com o uso de máscaras, álcool em gel e lavagem das mãos. Os casos têm aumentado consideravelmente todos os dias, acendendo um alerta para evitar uma possível epidemia de H3N2 no Paraná”, disse.

Medicamentos

A Sesa, de maneira preventiva e considerando o aumento no número de casos, realizou o envio de mais 380 mil unidades do fosfato de oseltamivir (Tamiflu) para as Regionais de Saúde, reabastecendo o estoque de todos os municípios do Estado.

Em até 48h da infecção pelo vírus da Influenza, o medicamento possui efetividade contra o agravamento do quadro clínico, diminuindo o risco de morte, quando receitado por um médico e em dosagem apropriada.

Desde 2009, quando o mundo viveu uma pandemia da gripe A (H1N1) o tratamento dos pacientes é realizado com o oseltamivir que ajuda a diminuir a ação do vírus da gripe no organismo. Diferentemente de outros antigripais, o medicamento é um antiviral e além de tratar os sintomas, também combate o próprio vírus causador da Influenza.

O Tamiflu foi aprovado para uso pela primeira vez nos Estados Unidos em 1999 e faz parte da lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Vacinação

Todos os anos o Ministério da Saúde envia vacinas contra a Influenza para os Estados na Campanha Nacional de Imunização Contra a Gripe. Em 2021, o Paraná recebeu e distribuiu 5.165.200 doses do imunizante aos 399 municípios.

Segundo os dados do Localiza SUS, administrado pelo Governo Federal, 3.959.452 doses foram aplicadas dentro desta campanha, atingindo 76,6% do total de doses enviadas. Se considerarmos a estimativa de população alvo do Ministério da Saúde (4,4 milhões de paranaenses), que incluiu somente os grupos prioritários, o Estado tem cerca de 70% de cobertura vacinal, com 2,1 milhões de doses aplicadas.

Clique aqui para receber as notícias do Portal Alto Piquiri em Tempo Real através do WhatsApp

“Ainda temos vacina contra a gripe em muitos municípios e eu quero convocar as pessoas que ainda não se imunizaram, mesmo que seja a vacina do inverno passado, possui uma validade muito importante. Por isso contamos com a população para continuar com nosso combate também contra a Influenza”, afirmou Beto Preto.

Dados

Os dados divulgados pela Sesa nos últimos dias são extraídos do Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), alimentado pelos laboratórios de todo o Estado, tanto do Sistema Único de Saúde (SUS) quanto da iniciativa privada.

Já as informações do boletim da Influenza e demais vírus respiratórios no Paraná, publicados no site da secretaria, é realizada através da Vigilância Sentinela de Síndrome Gripal (SG) e da Vigilância Universal dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) hospitalizados e, óbitos, por meio do sistema de informação oficial de notificações por SRAG, SIVEP Gripe.

A Vigilância Sentinela de SG é composta por uma rede de 34 serviços de saúde para atendimento, que estão distribuídas em 22 Regionais de Saúde e 28 municípios no Estado do Paraná. A Vigilância Universal de SRAG monitora os casos hospitalizados e óbitos. Ambas possuem o objetivo de identificar o comportamento dos vírus respiratórios, orientando os órgãos de saúde na tomada de decisão frente à ocorrência de casos graves e surtos e auxiliando na escolha dos vírus que irão compor a próxima vacina da gripe a ser utilizada.

Portanto, os dados do Informe podem ser divergentes, uma vez que as informações extraídas do GAL são atualizadas de maneira mais rápida, e são, consequentemente, encaminhadas para os serviços de saúde para posterior investigação e inclusão das notificações no SIVEP Gripe.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias